terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Vigilantes de luto!

A diretoria do Sindicato dos Vigilantes de Niterói e região vem em público manifestar sua indignação com a falta de segurança no Estado do Rio de Janeiro. Apenas esta semana dois vigilantes foram assassinados quando exerciam suas funções guardando patrimônio de outros.

Apenas fatos lamentáveis como esses fazem com que a sociedade lembre da figura do vigilante. O vigilante existe! Dentro de uma agência bancária, além de gerentes abusados e exploradores que não entendem de segurança. Muito influenciam até mesmo no plano de segurança da agência.

Os banqueiros não contribuem para a segurança bancária. É necessário mais investimentos para a segurança de seus funcionários, vigilantes e clientes. É com o trabalho do vigilante que alguns empresários compram seus iates, lanchas, carros do ano. No entanto, na hora de pagar um salário digno escorregam.

Alguns empresários da segurança privada exploram o vigilante em trabalhos noturnos fazendo dobradas de rendição de almoço e pagando por fora, contratando para eventos sem nenhuma segurança e pagando migalhas e não recolhendo o INSS e o FGTS. 

Quando fatos como esses acontecem é que a sociedade descobre que um vigilante está ganhando um salário indecente para defender o patrimônio privado e o lucro dos empresários. Além disso, enfrentam muitas vezes a ira de clientes que esbravejam quando a porta de segurança trava nos bancos.

A categoria precisa acordar e não deixar que alguns empresários nos transformem em escravos da profissão.  Sei que está difícil, mas são nossas vidas que estão em jogo. Precisamos nos unir e brigar pelos nossos direitos.  A nossa vida está no cano da arma de um bandido.

Externamos nossos sinceros pesares aos familiares dos companheiros mortos. Que o Estado assuma seu papel na segurança pública e guarde seu povo sem que percamos homens como o vigilante do banco Santander da Tijuca, no Rio, morto hoje durante uma tentativa de assalto.

Cláudio Vigilante 

Presidente do SVNIT e Secretário Geral da CNTV - Confederação Nacional dos Vigilantes

Um comentário: