quarta-feira, 20 de julho de 2016

Empresa Rota Segurança procura SVNIT e afirma regularizar pagamentos atrasados dos vigilantes

Após fiscalização do SVNIT – Sindicato dos Vigilantes de Niterói, São Gonçalo e região em alguns postos de trabalho, a empresa Rota Segurança, responsável pelos postos da Defensoria Pública do Trabalho e também do Ministério da Agricultura em Niterói se reuniu nesta quarta-feira (20/07), na sede da entidade, com o presidente Cláudio Vigilante e o diretor Adilson Vigilante para esclarecer os problemas contratuais e de descumprimento das obrigações trabalhistas. Os representantes da empresa foram o Sr. Ricardo (diretor), Jorge (supervisor) e Gesse (supervisor).

A empresa admitiu o atraso nos salários dos vigilantes da Defensoria Pública por conta do não recebimento das faturas. Informou ainda que foi realizado o depósito das passagens para transporte e o tíquete refeição na última sexta dia 15/07. Os salários também serão quitados, de acordo com a Rota Segurança até o fim da semana.

“Mesmo com essa reunião com a empresa onde ela se comprometeu a regularizar a situação dos trabalhadores, informamos aos responsáveis que o Sindicato vai continuar monitorando todos os postos para que novos casos de atrasos não ocorram. Não descartamos também a utilização de denúncias ao Ministério Público do Trabalho da empresa e também da contratante”, disse Cláudio Vigilante que avisou à Rota Segurança que, por conta dos atrasos, os vigilantes têm direito a receber uma multa de 20 % do salário e que a empresa poderá ser acionada judicialmente caso não cumpra.

Já sobre o posto do Ministério da Agricultura em Niterói onde o contrato foi encerrado e as rescisões dos vigilantes não haviam sido homologados no Sindicato, a empresa informou que tem cinco faturas em aberto para receber do Governo Federal e que por isso, vem encontrando dificuldades para quitar as rescisões. Diante desse cenário, a diretoria do Sindicato vai pedir uma mesa redonda no Ministério Público do Trabalho de Niterói  com a presença da empresa Rota Segurança e também da representação do Ministério da Agricultura para buscar uma solução de pagamento imediato das rescisões dos trabalhadores.

“Foi muito importante essa reunião com a empresa na sede do Sindicato. Demonstra o respeito pela força da entidade que é a legítima representante dos vigilantes na região. O Sindicato é a casa do trabalhador e o nosso trabalho é defender os interesses da categoria. Não podemos admitir que os vigilantes sejam explorados”, afiança Cláudio Vigilante.


A Rota Segurança informou ao SVNIT que foi procurada por pessoas que se passavam por dirigentes sindicais de um suposto sindicato clandestino com sede em Alcântara, São Gonçalo. Ao tomar conhecimento da atuação do SVNIT, decidiu rapidamente procurar a direção para explicar a real situação dos contratos e os motivos dos atrasos. O SVNIT espera que a empresa cumpra com o acordado e regularize o mais rápido possível os salários e auxílios dos trabalhadores.

Fonte: Imprensa SVNIT

terça-feira, 19 de julho de 2016

Sindicato constata irregularidades em postos de serviços de Niterói e São Gonçalo

O Sindicato dos Vigilantes de Niterói e região (SVNIT) saiu às ruas e visitou diversos postos para fiscalizar as condições de trabalho dos vigilantes. A iniciativa acontece após o Sindicato receber diversas denúncias através da seção Fale Conosco no site da entidade. Apesar das frequentes investidas do SVNIT, ainda foram identificadas irregularidades e descumprimentos da Convenção Coletiva e da CLT.

Na Defensoria Pública, em Niterói, os vigilantes estão com salários, tíquetes refeição e transportes em atrasos. O Sindicato cobrou uma posição da Defensoria Pública em relação à empresa Rota Vigilância. Apesar de não dar condições para os trabalhadores, a empresa ainda ameaçou os vigilantes de cortes nos salários em caso de faltas. Questionada, a Defensoria informou que havia liberado o pagamento da fatura de maio/2016 nesta semana. O motivo do atraso seria a falta de certidões da Rota Vigilância. A empresa e o órgão foram comunicados que o Sindicato vai solicitar mediação junto ao Ministério Público do Trabalho para tratar do assunto.

O caso se repete no posto do Ministério da Agricultura, em Niterói, onde a mesma empresa presta serviços. No local, vigilantes foram demitidos e não receberam suas rescisões. O SVNIT vai levar o caso ao MPT e pedir o bloqueio de faturas para pagamentos de indenizações. A situação é idêntica para os vigilantes que trabalhavam no IML e eram da empresa VS-Brasil e foram dispensados também não receberam suas rescisões. O caso também será levado ao MPT.

Na loja C&C, na divisa entre Niterói e São Gonçalo, o SVNIT identificou porteiros realizando a função de vigilantes utilizando rádios de comunicação interna e para rondas externas. Os porteiros ainda estavam fardados como se fossem vigilantes criando uma falsa sensação de segurança para os clientes. O Sindicato vai denunciar no MPT as empresas C&C e Solidez por desvio de função.

“Não vamos abaixar a nossa cabeça para os problemas que a nossa categoria está sofrendo. Vamos denunciar todas as empresas que estão usando o desvio de função para se beneficiar. O Sindicato continua atento na defesa dos direitos dos vigilantes”, afirma Cláudio José Vigilante, presidente do SVNIT que foi acompanhado pelo diretor Adilson Vigilante.


Em um posto de gasolina na cidade, vigilantes foram contratados para realizar a segurança sem equipamentos essenciais para desempenho da função. A empresa contratante não forneceu colete a prova de balas, armas e munição para os vigilantes. O SVNIT já notificou a empresa e aguarda a adequação. 

Fonte: Imprensa SVNIT

quinta-feira, 7 de julho de 2016

SINDICATO SVNIT DENUNCIA EMPRESA (BF) BRAÇO FORTE AO MINISTÉRIO DO TRABALHO



A diretoria do Sindicato dos Vigilantes de Niterói e regiões recebeu denúncias de Vigilantes contra a Empresa de Segurança Braço Forte, por está colocando vigilantes para tirar plantão de 14 x 36 e não está pagando os feriados trabalhadores dos companheiros.

Entramos em contato com a empresa mandamos oficio e não tivemos resposta, visitamos o posto de serviço que é o Guanabara de Alcântara na última sexta feira dia 01/07/16 e confirmamos a denúncia, solicitamos uma reunião com a direção do Guanabara e também não tivemos resposta.

Decidimos então entrar com uma denúncia no Ministério do Trabalho em Niterói contra a empresa, não vamos aceitar exploração da mão de obra da nossa categoria.

A escala permitida é de 12x36 já incluindo a hora do almoço e o Feriado é obrigatório o pagamento súmula 444.

Assim que for marcada a mesa redonda informaremos aos companheiros.

O Sindicato foi criado para servir ao trabalhador.

Só quem sabe o que o Vigilante sofre em seu posto de Serviço é um outro vigilante.


Claudio Vigilante
Presidente do Sindicato de Niterói, São Gonçalo e regiões

domingo, 26 de junho de 2016

VIGILANTES DE NITERÓI E REGIÕES VAMOS NOS UNIR. HORISTAS NÃO !!!

Bom dia a todos os Vigilantes que prestam serviço nos Municípios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Rio Bonito e Marica/RJ.
A diretoria do Sindicato dos Vigilantes de Niterói e regiões, solicita a todos os Vigilantes que estão prestando serviço em agências bancárias da nossa base territorial que mandem para o nosso site no link fale conosco anonimante não precisa se identificar o nome do banco, endereço e município para que a partir de terça feira dia 28/06/16 possamos começar a visitar os postos de serviço e confirmando a irregularidade, apresentar a relação ao Ministério do Trabalho de Niterói para que as empresas e os bancos possam ser fiscalizados conforme solicitação do nosso Sindicato  na mesa redonda no dia 23/06/16.
Vamos nos unir para acabar com essa falta de respeito das empresas com nós Vigilantes.
A diretoria do Sindicato dos Vigilantes de Niterói e regiões está fazendo a sua parte agora os Vigilantes precisam nos ajudar também, porque o Sindicato somos todos nós..
As empresas de Segurança precisam ter reservas para rendição de almoço, se os Vigilantes não aceitar essa migalha das empresas elas vão ter que contratar do mesmo jeito só que com o salário normal, porque elas estão sendo autuadas por não conceder horário de almoço para os Vigilantes Bancários.
Vamos nos unir.
Só quem sabem o que o Vigilante sofre em seu posto de serviço é um outro Vigilante.
Aguardamos os contatos dos companheiros pelo site do Sindicato Svnit no link fale conosco.
www.svnit.org
Cláudio Vigilante
Presidente do Sindicato dos Vigilantes de Niteroi e regiões (Svnit).

sexta-feira, 24 de junho de 2016

HORISTAS: Após 4 horas de reunião no MTE, Sindicato pede fiscalização nas empresas

Foram mais de quatro horas de discussões na mesa de intermediação no MTE - Ministério do Trabalho em Niterói entre o SVNIT – Sindicato dos Vigilantes de Niterói, São Gonçalo e região e o Sindesp (sindicato patronal) e as empresas de segurança Protege e G4S para discutir a contratação de vigilantes horistas. A mesa de negociação foi solicitada pelo presidente do SVNIT, Cláudio Vigilante. O presidente da CNTV – Confederação Nacional dos Vigilantes, José Boaventura, e o Departamento Jurídico do Sindicato também participaram das discussões.

O debate foi caloroso e não se alcançou um consenso. O SVNIT pediu ao MTE o início de fiscalizações diárias nas empresas. Os empresários argumentam que a CLT permite a prática de contratação de horista que reduz o salário do trabalhador e não garante direitos.

O SVNIT demonstrou aos empresários e ao representante do MTE que o regime do vigilante é mensalista, o que proíbe o vigilante diarista. José Boaventura, presidente da CNTV, alertou ao mediador o real objetivo dos empresários. “O que as empresas querem é precarizar o serviço da segurança no Estado”, disse.

O presidente do SVNIT, Cláudio Vigilante, comunicou às empresas que o objetivo principal da mesa redonda era a suspensão da contratação de vigilantes horistas na base do Sindicato. Como não houve consenso, o SVNIT solicitou a convocação dos bancos contratantes para uma nova mesa de mediação. “Os empresários não gostaram de envolver os contratantes nessa discussão. Porém, não vemos outra saída a não ser envolver todos os agentes. Não podemos permitir precarizar o trabalho em nossa base”, afirma Cláudio.

O Sindicato também solicitou que as empresas apresentassem, no prazo de 10 dias, uma lista de documentos, tais como: 1. Cópia dos contratos de prestação de serviços; 2. cópia dos contratos de trabalho por Regime parcial; 3. históricos das contratações de mulheres; 4. folha de ponto dos Vigilantes para comprovar a carga horária efetivamente trabalhada; e 5. cópia das apólices de seguro de vida contratado para os Vigilantes. Novamente, os empresários se recusaram a atender a solicitação.

“Todas essas recusas às nossas solicitações demonstram que as empresas estão de má fé e, realmente, contratando horista. Não nos restou alternativa a não ser pedir fiscalização do Ministério do Trabalho contra as empresas que estão praticando esses absurdos. A diretoria do Sindicato dos Vigilantes de Niterói e regiões iniciará na próxima semana visitas a todos os bancos para constatar onde têm vigilantes horistas. Vamos realizar atos e denunciar a precariedade da prestação de serviços. As empresas precisam respeitar a nossa categoria. Não somos mercadorias e, sim, seres humanos”, revela Cláudio.


A contratação de vigilante horista fere a Convenção Coletiva de Trabalho e a CLT. Além disso, o vigilante só terá direito a 18 dias de férias se não tiver faltas. Os trabalhadores não podem aceitar esse tipo de contratação. Só assim, as empresas deixarão de humilhar a categoria. Os risco de quem trabalha nos bancos por uma ou duas horas é o mesmo de quem trabalha as oito horas diárias. Só quem sabe o que o vigilante sofre em seu posto de serviço é outro vigilante. O Sindicato vai denunciar todas as empresas no Ministério Público do Trabalho que praticarem esse tipo de contratação.

Fonte: Imprensa SVNIT

terça-feira, 21 de junho de 2016

ESCLARECIMENTOS AOS VIGILANTES DE NITERÓI, SÃO GONÇALO E REGIÕES.

ASSUNTO CONTRATAÇÃO DE HORISTAS PELAS EMPRESAS DE SEGURANÇA.

A diretoria do Sindicato Svnit comunica a todos os vigilantes dos Municípios de Niterói, São Gonçalo, Itaborai, Rio Bonito e Marica/RJ, que no próximo dia 23/06/16 no Ministério do Trabalho de Niterói acontecerá uma mesa redonda onde, o Sindicato estará combatendo as irregularidades que algumas empresas de segurança estão cometendo com a nossa categoria ao contratar vigilantes para trabalhar como horista.
 
Companheiros estamos buscando todas as formas jurídicas para combater essa falta de respeito com os companheiros Vigilantes, não podemos concordar com mais essa exploração de mão de obra, os empresários de segurança querem precarizar ainda mais a mão de obra e nós vamos buscar impedir que isso aconteça, como pode dentro de um mesmo posto de serviço ter dois pisos salarial diferente correndo o mesmo risco. Total falta de respeito.
 
O nosso Jurídico estará presente na mesa redonda e vai dar todo o suporte para que essa falta de respeito não continue.
 
Estamos confiantes que vamos acabar com essa contratação fraudulenta na nossa base territorial, não vamos abaixar a nossa cabeça para os empresários e não vamos concordar que conste na nossa convenção coletiva de trabalho essa aberração.
 
A direção de Sindicato que concordar com horistas e colocar na CCT estarão fazendo o jogo dos patrões.
 
Só quem sabe o que um vigilante sofre em seu posto de serviço e um outro vigilante.
um abraço a todos os vigilantes.
 

Claudio Vigilante
Presidente do Sindicato dos Vigilantes de Niterói e regiões

segunda-feira, 20 de junho de 2016

20 de junho! Dia Nacional dos Vigilantes - rumo ao Piso Nacional

Hoje é o Dia Nacional dos Vigilantes e as nossas homenagens são para esses guerreiros e guerreiras que diariamente dão seu suor para proteger vidas e patrimônios. Muitas coisas já conquistamos nos últimos anos, mas sabemos que precisamos melhorar e conquistar ainda mais. Nossa luta é intensa e ininterrupta. Vamos atrás de nossos ideais e direitos. 

É com esse espírito, que a diretoria do Sindicato dos Vigilantes de Niterói, São Gonçalo e região saúde a todos os trabalhadores e trabalhadoras por esse 20 de junho: Dia Nacional dos Vigilantes instituído, após muita luta da CNTV e do SVNIT, por lei federal como o dia de homenagens a essa categoria tão batalhadora e especial.

Parabéns Guerreiros e Guerreiras!!!! Rumo ao Piso Nacional dos Vigilantes!!!

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Piso Nacional dos Vigilantes – junte-se a nós nesta luta! Espalhe a verdade!

A Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV) e o Sindicato dos Vigilantes de Niterói e região (SVNIT) vêm a público desmentir as mensagens falsas que estão circulando pelo Whatsapp e Facebook afirmando que o Piso Nacional dos Vigilantes já foi aprovado. Trata-se de uma informação inverídica que tem como único objetivo enfraquecer a luta da categoria e comprometer dirigentes da CNTV. O PL 230/2016 foi protocolado na segunda-feira (6) pelo senador Paulo  e agora deve seguir todos os trâmites da Casa. Não é possível prever quanto tempo isso levará, apenas que a mobilização da categoria e a cobrança aos Senadores é peça-chave para a agilidade do processo.

Na última semana, vigilantes de todo o país se dirigiram a Brasília para participar da audiência pública realizada no Senado Federal para debater o assunto. Agora, o PL 2302016 passará por todas as comissões do Senado, depois seguirá para a Câmara dos Deputados e, caso haja ajustes a serem feitos, retorna ao Senado. Após todo o trâmite e aprovação, o texto segue para sanção presidencial e passa a valer como lei. Assim como foi com o adicional de periculosidade, a participação da categoria é fundamental.

“Querem enganar a categoria, fazendo acreditar que já foi aprovado (o PL) e que não precisa mais lutar. Isso é golpe de quem não quer ver os vigilantes avançando. Mentem para a categoria para que o trabalhador acredite que a luta já acabou. Isso não é verdade, companheiros! Sigamos unidos e lutando para conquistar o Piso Nacional de R$ 3 mil, reconhecimento e valorização!”, afirmou o diretor da CNTV e deputado distrital Chico Vigilante.

Fonte: CNTV

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Projeto de Lei sobre o Piso Nacional é protocolado no Senado Federal

Os vigilantes brasileiros deram mais um passo na conquista pelo Piso Nacional de R$ 3 mil. Na tarde desta segunda-feira (6) o Senador Paulo Paim (PT-RS) protocolou o texto que reivindica que o salário da categoria, qualquer que seja o local de atuação, seja de no mínimo R$ 3 mil. Agora, com nome de Projeto de Lei (PL) 230/2016, a matéria tramitará no Senado Federal e depois na Câmara dos Deputados, e precisa da mobilização total dos trabalhadores em todo o país.

O PL 230/2016 retoma o debate sobre o Piso, uma vez que a matéria que tramitava na Câmara excluiu este item do texto do substitutivo da Lei nº 4238/2012, que institui o Estatuto Nacional de Segurança Privada.

Durante a audiência pública realizada na Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado nesta segunda-feira (6), Paim convocou a categoria para a luta que se inicia agora na Casa. “Nós conseguimos os 30% (adicional) graças à mobilização. Esse é o mesmo caminho que devemos percorrer para garantir o piso nacional de R$ 3 mil”, avaliou.

Já o diretor da Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV) e deputado Distrital, Chico Vigilante, lembrou que o momento é de união e que, mais uma vez, os empresários estão tentando desqualificar as reivindicações, ameaçando os trabalhadores com demissões. “Esses mesmos empresários impuseram medo quando lutamos pelo adicional de 30% (...) O vigilante arrisca a vida para defender outras pessoas. Não podemos aceitar que quem tem uma profissão tão perigosa quanto a deles, receba um salário tão baixo e que pode piorar de acordo com o Estado onde ele vive”, ressaltou.

Presidente do SVNIT, Cláudio Vigilante, foi um dos principais defensores do
Piso Nacional para a categoria e compôs a mesa principal da Sessão
O presidente da CNTV, José Boaventura, reafirmou a necessidade de união da categoria e convocou todos os trabalhadores para a luta. “Acreditamos que somos capazes de conquistar o piso nacional assim como conquistamos a periculosidade. A partir de hoje, é fundamental a mobilização total da categoria em seu Estado, na sua cidade, na sua empresa, no seu posto de trabalho. Somente assim vamos conquistar, assim como foi com outras matérias”, relembrou.

A CNTV continuará lutando para garantir mais valorização para a categoria, e isso inclui salário digno para todos. Por isso, a entidade convoca cada vigilante para fortalecer ainda mais essa luta. A vitória depende de cada um!


Fonte: CNTV