segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Ataques a bancos crescem 9,1% e somam 1.693 no primeiro semestre

Os ataques a bancos alcançaram 1.693 ocorrências em todo país no primeiro semestre de 2014, uma média assustadora de nove casos por dia, o que representa um crescimento de 9,1% em relação ao mesmo período do ano passado. Desses, 403 foram assaltos (inclusive com sequestro de bancários e vigilantes), consumados ou não, e 1.290 arrombamentos de agências, postos de atendimento e caixas eletrônicos. No primeiro semestre de 2013, foram registrados 1.552 ataques, sendo 433 assaltos e 1.119 arrombamentos.


Os dados são da 7ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos, elaborada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV) e Federação dos Vigilantes do Paraná (Fetravisp), com apoio técnico do Dieese, a partir de notícias da imprensa, estatísticas disponíveis de secretarias de segurança pública dos estados e informações de sindicatos e federações de vigilantes e bancários de todo o país. O presidente do SVNIT, Cláudio Vigilante, participou do lançamento nesta segunda-feira (25) em São Paulo.

O levantamento contou com apoio do Sindicato dos Vigilantes de Curitiba e Região, Sindicato dos Bancários de Curitiba e Região e da Fetec-CUT/PR. O número de casos certamente foi ainda maior devido à dificuldade de levantar informações em alguns estados e pelo fato de que muitas ocorrências não são divulgadas pela imprensa nem registradas pelos bancos.

A pesquisa foi lançada nesta segunda-feira (25), na sede da Contraf-CUT, em São Paulo, com a presença de dirigentes das entidades e do Dieese. 

São Paulo é o estado que mais uma vez lidera o ranking, com 403 ataques. Em segundo lugar aparece de novo Minas Gerais, com 236, em terceiro o Paraná, com 182, em quarto o Rio Grande do Sul, com 125, e em quinto a Bahia, com 120.

A região Sudeste segue com o maior número de ataques (691), seguida do Nordeste (454), Sul (392), Norte (84) e Centro-Oeste (72). 

Bancários e vigilantes cobram medidas de prevenção

A CNTV, a Contraf-CUT e a Fetravisp irão encaminhar cópia da pesquisa para o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e para a Polícia Federal, reiterando a necessidade de discutir medidas para prevenir ataques a bancos e proteger a vida das pessoas. 

"Cobramos providências das autoridades para evitar mortes e reduzir os ataques a bancos, que ocorrem, sobretudo, por negligência dos bancos, uma vez de que eles preferem fazer a gestão do lucro em detrimento da proteção da vida de trabalhadores e clientes", afirma o presidente da Contraf-CUT, Carlos Cordeiro.

"Esperamos que esses dados mostrem aos bancos a importância de apresentar propostas de segurança na mesa de negociações da Campanha Nacional dos Bancários 2014, que ocorre nesta quarta e quinta-feira, dias 27 e 28, em São Paulo", completa o dirigente da Contraf-CUT.

"Exigimos também a responsabilização civil e criminal dos executivos dos bancos e das empresas de segurança, que são responsáveis pela insegurança nas agências e postos de atendimento, pois essa situação de mortes e ataques não pode ser banalizada, mas precisa ser enfrentada com ações concretas que coloquem a vida das pessoas em primeiro lugar", reforça o presidente da CNTV, José Boaventura Santos.

"Os bancos não podem continuar tratando os arrombamentos como problema de segurança pública, uma vez que acontecem por causa das instalações vulneráveis de seus estabelecimentos e dos locais inseguros onde se encontram os caixas eletrônicos", salienta Boaventura.

"Esses dados são muito importantes para o debate com os bancos, as empresas de segurança e a sociedade, bem como para a construção com avanços do projeto de lei de estatuto de segurança privada, que se encontra em elaboração no Ministério da Justiça, para atualizar a lei federal nº 7.102/83", destaca o presidente da Fetravisp, João Soares.

"O aumento de ataques a bancos, principalmente arrombamentos, no primeiro semestre deste ano, tem a ver com a onda de explosões de caixas eletrônicos, muitos instalados em locais inseguros e desprovidos de equipamentos de segurança", explica João Soares. "O Exército precisa melhorar a fiscalização e o controle de transporte, armazenagem e comércio de dinamite", defende.

Escassez de investimentos dos bancos

Conforme estudo feito pelo Dieese, com base nos balanços publicados do primeiro semestre de 2014, os cinco maiores bancos (Itaú, Bradesco, BB, Caixa e Santander) lucraram R$ 28,3 bilhões e aplicaram R$ 2,4 bilhões em despesas com segurança e vigilância, o que representa uma média de 8,6% na comparação entre os lucros e os gastos com segurança. 

"Os bancos falam que estão preocupados com a segurança, mas gastam muito pouco diante de seus lucros estratosféricos", salienta o secretário de Imprensa da Contraf-CUT e coordenador do Coletivo Nacional de Segurança Bancária, Ademir Wiederkehr.

"Está na hora de os bancos passarem a olhar as despesas de segurança e vigilância como investimentos, ao invés de custos que podem ser reduzidos. A proteção da vida das pessoas não pode ficar no discurso. Precisamos de medidas concretas de prevenção, pois a vida é o patrimônio mais valioso que existe na face da terra", ressalta Ademir.

Número de assaltos é o dobro da estatística da Febraban

O número de assaltos da pesquisa é 2,16 vezes maior que a estatística nacional de assaltos da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Enquanto a pesquisa da Contraf-CUT, CNTV e Fetravisp aponta 403 ocorrências no primeiro semestre deste ano, a Febraban apurou 186 no mesmo período, uma diferença de 217 casos.

"A Febraban deveria refazer as contas, pois é uma grande diferença. Pode ser que existam agências e postos que não providenciaram a emissão do Boletim de Ocorrência (BO) na polícia, apesar da obrigatoriedade prevista na cláusula 31ª da convenção coletiva dos bancários", alerta Carlos Cordeiro.

"Queremos que os bancos enviem uma cópia do BO para a Cipa, o sindicato local e a Contraf-CUT, a fim de que possamos fiscalizar o registro dos ataques", reivindica o presidente da Contraf-CUT.

"Lamentamos que a Febraban não divulgue estatística dos arrombamentos. Esses crimes revelam que as instalações dos estabelecimentos são frágeis e, por isso, geram medo e insegurança, sendo que várias vezes os ataques provocam tiroteios e até mortes de policiais e transeuntes", destaca Boaventura. 

32 mortes em assaltos envolvendo bancos no 1º semestre

Outro diagnóstico da violência nos bancos é a recente pesquisa nacional sobre mortes em assaltos envolvendo bancos, elaborada pela Contraf-CUT e CNTV a partir de notícias da imprensa, com apoio técnico do Dieese. 

No primeiro semestre de 2014, o levantamento apurou a ocorrência de 32 assassinatos, média de cinco vítimas fatais por mês, um aumento de 6,7% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registradas 30 mortes. 

São Paulo é o estado que liderou novamente a pesquisa com 12 mortes, o que representa 38,7% dos casos. Rio de Janeiro (4), Pernambuco (3), Minas Gerais (2), Paraná (2), Goiás (2) e Paraíba (2) são os estados que vêm em seguida.

O crime da "saidinha de banco" aumentou ainda mais a liderança entre os tipos de ocorrências, tendo provocado 20 mortes, o que representa 62,5% dos casos. O assalto a correspondentes bancários segue em segundo lugar, agora ao lado dos ataques a caixas eletrônicos, ambos com 4 mortes, o que significa 12,5% das vítimas fatais. Depois, vem mortes em assaltos a agências (3) e transporte de valores (1). 

Assim como cresceram as mortes em "saidinha de banco", aumentaram também os clientes como as maiores vítimas. Do total, 22 pessoas eram clientes, o que significa 68,8% dos assassinatos. Em seguida vêm policiais (2), vigilante (1) e outras pessoas (7), muitas vítimas de balas perdidas em tiroteios.

"Os bancos gastam milhões de reais em marketing para tentar melhorar a sua imagem e a estética das agências, mas não se preocupam com as pessoas que estão morrendo em assaltos envolvendo bancos, o que é inaceitável. O setor mais lucrativo do país está devendo contrapartidas sociais para a sociedade brasileira", critica João Soares.

Multas da Polícia Federal provam que bancos descumprem legislação

O descaso dos bancos é ainda mais evidente diante das multas aplicadas pela Polícia Federal nas reuniões da Comissão Consultiva para Assuntos de Segurança Privada (CCASP) da Polícia Federal (PF).

No primeiro semestre deste ano, os bancos foram multados em R$ 5,585 milhões por descumprimento da lei federal 7.102/83 e de normas de segurança. As principais infrações dos bancos foram a ausência de plano de segurança aprovado pela PF, número insuficiente de vigilantes, alarme inoperante e utilização de bancários para transporte de valores, dentre outras irregularidades.

Propostas dos vigilantes e bancários para garantir segurança

- Porta giratória com detector de metais antes da sala de autoatendimento com recuo em relação à calçada, onde deve ser colocado um guarda-volumes com espaços chaveados e individualizados;

- Vidros blindados nas fachadas;

- Câmeras de vídeo em todos os espaços de circulação de clientes, bem como nas calçadas e áreas de estacionamento, com monitoramento em tempo real e com imagens de boa qualidade para auxiliar na identificação de suspeitos;

- Biombos ou tapumes entre a fila de espera e a bateria de caixas;

- Divisórias individualizadas entre os caixas, inclusive os eletrônicos;

- Cumprimento do plano de segurança de cada estabelecimento, conforme prevê a lei nº 7.102/83, garantindo a presença de no mínimo dois vigilantes, enquanto houver bancários e clientes em agências e postos de atendimento;

- Fim da guarda das chaves de cofres e das unidades por bancários e vigilantes, ficando as chaves na sede das empresas de segurança, ou então abertura e fechamento por controle remoto;

- Proibição do transporte de valores por bancários; operações de embarque e desembarque de carros fortes somente em locais exclusivos e seguros; e fim do manuseio e contagem de numerário por vigilantes no abastecimento de caixas eletrônicos;

- Atendimento médico e psicológico para trabalhadores e clientes vítimas de assaltos, sequestros e extorsões;

- Escudos e assentos no interior das agências e postos de atendimento para os vigilantes;

- Instalação de caixas eletrônicos somente em locais seguros;

- Maior controle e fiscalização do Exército no transporte, armazenagem e comércio de explosivos;

- Isenção das tarifas de transferência de recursos (DOC, TED) para reduzir a circulação de dinheiro, a fim de combater o crime da "saidinha de banco".


Fonte: Contraf-CUT com CNTV, Fetravisp e Dieese

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Polícia Federal multa empresas de segurança em mais de R$ 750 mil e Presidente do SVNIT toma posse como representante dos vigilantes do Brasil na CCASP

Tomou posse nesta quarta-feira (20) na CCASP, em Brasília, o novo representante dos vigilantes com assento na Comissão Consultiva para Assuntos de Segurança Privada (CCASP), Cláudio Vigilante. Em sua primeira reunião como membro efetivo no órgão presidido pela Polícia Federal, 1856 processos foram analisados e julgados. Na 102ª reunião, 1.312 processos se referiram a empresas de segurança privada, orgânica, transporte de valores e cursos de formação. As multas somaram R$ 758.351, 08 e foram aplicadas por falhas como coletes vencidos, armamento com defeito, falta da Carteira Nacional de Vigilante (CNV), reciclagem vencida e atuação, principalmente em eventos, sem curso e registro profissional.

Cláudio Vigilante (SVNIT/CNTV), Paulo Henrique (SVNIT),
Carlos Gil (Duque de Caxias) e Adriano Linhares (Petrópolis)
Cláudio Vigilante é presidente do Sindicato dos Vigilantes de Niterói e Região (SVNIT) e Secretário Geral da Confederação Nacional dos Vigilantes. Ele foi acompanhado na reunião da Comissão pelos companheiros também diretores da CNTV, José Boaventura (presidente da entidade), Adriano Linhares (presidente do Sindicato dos Vigilantes de Petrópolis) e Carlos Gil (presidente do Sindicato dos Vigilantes de Duque de Caxias), além de Paulo Henrique, vice-presidente do SVNIT e diretor da Federação Interestadual dos Vigilantes (FEVIG).

Cláudio Vigilante (CNTV) e Lúcio Paz (Contaf-CUT)
O julgamento resultou ainda em multa de mais de R$ 6 milhões aos bancos por falhas na segurança, falta de vigilantes, de plano de segurança, transporte irregular de valores, entre outros. A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) foi representada por Lúcio Paz, da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Instituições Financeiras do Rio Grande do Sul (Fetrafi).

Os processos pautados foram abertos pelas delegacias estaduais de segurança privada (Delesp) da PF por descumprimento da lei federal 7.102/1983 e das portarias da Polícia Federal. Alguns deles são também fruto de denúncias dos trabalhadores e da fiscalização realizada pelos sindicatos.

“Agradeço à diretoria da CNTV por confiar em mim para substituir o presidente da entidade, José Boaventura, neste fórum. Farei o possível para defender a categoria em todos os momentos. Esse é um momento muito importante para a nossa categoria onde temos todas as chances de brigar por melhores condições de trabalho e salários. O papel da CNTV na CCASP é defender o trabalhador e o emprego. Vamos, com muita vontade, fazer valer a legislação e cobrar dos responsáveis a resolução dos problemas que encontramos no cotidiano dos vigilantes”, afirmou Cláudio.

A CCASP

A CCASP é um fórum consultivo e conta com 12 membros, sendo cinco representantes de empresas de segurança, um representante da Febraban, um representante da Contraf-CUT, um representante da CNTV, um representante da Federação dos Trabalhadores Vigilantes de São Paulo, um representante do Sindvalores-DF, um representante da PF e um representante do Exército. A Comissão julga processos abertos contra bancos, empresas de segurança privada, orgânica, transporte de valores e cursos de formação de vigilantes por descumprirem a legislação vigente sobre a segurança privada.



Imprensa SVNIT com CNTV

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Ministério do Trabalho conclui a atualização do processo eleitoral e CNTV está mais viva na luta dos vigilantes

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) validou no dia 8 de agosto em seu sistema eletrônico a ata e demais procedimentos do processo eleitoral da Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV), realizada no final de janeiro, seguindo o rito normativo estabelecido pelo MTE.

O registro em questão faz-se necessário para ajudar a leitura de alguns incomodados com a atuação da CNTV. É esta CNTV, representante legítima dos vigilantes do Brasil, que liderou conquistas importantes para a categoria como a reblindagem dos carro-fortes; combate ao malote de tintas; retirada de rádios dos veículos; colete como Equipamento de Proteção Individual (EPI); periculosidade com reflexo nas horas extras; férias e outros ganhos; luta contra o banco de hora; luta por emprego; valorização e respeito à categoria; entre outras.

Esta mesma Confederação que sai de uma conquista e entra em outra, agora, pelo PISO NACIONAL DE R$ 3 MIL e contra os caloteiros, incomoda muita gente, de patrões a bajuladores.

A CNTV está VIVA!


Fonte: CNTV


sábado, 16 de agosto de 2014

Agradecimento pelo Título de Cidadão Gonçalense


Quero agradecer a Câmara de Vereadores de São Gonçalo, em especial ao Vereador José Carlos Vicente, por ter me concedido o título de Cidadão Gonçalense.

No final do ano passado o Sindicato dos Vigilantes de Niterói e regiões (SVNIT) também conquistou o título da entidade mais atuante no ano de 2013 concedido pelo Jornal O Povo de São Gonçalo.

Esse título de Cidadão Gonçalense é um retrato pelo trabalho que realizamos em prol da categoria na região e que foi reconhecido pelo Legislativo através do vereador José Carlos Vicente.

Pra mim, esse reconhecimento de autoridades e parlamentares reforçam a minha vontade de lutar por uma categoria que muitas das vezes é explorada por alguns maus empresários do que atuam no ramo da segurança privada.

Vou continuar lutando e buscando sempre defender a minha categoria porque sou vigilante. Agradeço aos meus diretores que muito me ajudam na administração do Sindicato buscando sempre o objetivo principal que é trabalhar em prol de melhorias para a categoria.

Agradeço também ao Jornalista do Sindicato SVNIT, Willian Chaves, pelo empenho em divulgar todas as demandas do sindicato onde buscamos defender a categoria e, finalmente, agradeço aos meus parceiros da CNTV, CUT, do Sindicato dos Bancários de Niterói e do Sindicato dos Metalúrgicos de Niterói que apoiam a luta do nosso sindicato, e à minha família que é compreensiva e sempre me apoiou.


Cláudio Vigilante

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Nota pesar pela morte de Eduardo Campos

A Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV)  e o Sindicato dos Vigilantes de Niterói E Região lamentam a morte do candidato à presidência Eduardo Campos (PSB) e de todos os trabalhadores que estavam bordo. Campos e outras seis pessoas estavam no jato que caiu na manhã desta quarta-feira (13) em Santos (SP). As causas do acidente ainda estão sendo investigadas.


A CNTV e o SVNIT registram seu pesar com a morte de Campos e destes companheiros e manifesta as mais sinceras condolências aos amigos e familiares neste momento de luto.

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

DESESPERADO BANDEIRA MANDA SEUS DIRETORES ENTREGAR JORNAL EM NITERÓI E REGIÕES.

Companheiros e companheiras Vigilantes de Niterói e regiões, ontem durante o dia tomamos conhecimento de que os diretores do Bandeira estavam visitando os postos de serviço de Niterói e regiões entregando o jornal do Sindicato do Município do Rio, onde tem no Titulo o seguinte chamamento: "NOVAS LIDERANÇAS SURGIRAM PARA MUDAR" a matéria confirma a nota publicada no jornal do Sindicato dos Vigilantes e Niterói e regiões de Julho que ainda esta sendo entregue nos postos de serviço, onde informamos a categoria que a greve puxada pelo Bandeira tinha sido uma greve política para colocar o vice presidente dele em evidencia, e que ele sabia que não ia conseguir os 30 mais 30 que ele tinha prometido a categoria juntamente com a nova Liderança política.
Companheiros, em vez do Bandeira mandar os diretores do Sindicato do Município visitar a base territorial dos outros deveria fazer como fazemos aqui em Niterói e regiões ir aos postos e conversar com os companheiros, ele tenta mais uma vez nos afrontar, e o pior coloca no próprio Jornal matéria tentado denegrir a imagem do nosso Sindicato e da nossa diretoria, mais não adianta que não vai nos atingir, enquanto ele menti para categoria e tenta enganar quem ele deveria apoiar, O Sindicato dos Vigilantes de Niterói esta buscando trabalhar para a categoria.
Estamos pelo Rio de Janeiro juntamente com os Sindicatos de Vigiantes de Petrópolis e Duque de Caxias buscando com a CNTV apoio no Brasil todo, conversando com parlamentares e dirigentes sindicais dos vigilantes de diversos Estados para que se envolvam a nossa luta pelo Piso Nacional agora eu pergunto aos companheiros já estamos desde abril falando do projeto de lei que garante aos vigilantes um piso nacional de 3 mil reais, no dia 10 de maio aconteceu a audiência publica em Brasília onde foi debatido o projeto de lei do Piso Nacional, Niterói, Petrópolis e Caxias estavam lá, cadê o Sindicato do Município do Rio? sai um Jornal do Sindicato dele e não sai uma nota sobre Piso Nacional, nem se preocupa em informar a categoria como esta o andamento do projeto de Lei.
Companheiros o que podemos dizer é que ser os Sindicatos ligados ao Sindicato do Município não se envolver na luta pelo Piso Nacional, nós, vamos juntamente com a CNTV lutar e buscar mais esse direito para a nossa categoria e vamos levar as informações para toda a região para que os companheiros possam estar acompanhando e apoiando a luta.
Companheiros não se preocupem com o Jornal do Bandeira ele pode dizer o que quiser nós estamos trabalhando e vamos continuar ao LADO categoria quando ela precisar de nós.
Diretoria do SVNIT

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Sindicatos vão à Superintendência da Caixa no Rio de Janeiro por conta do novo sistema de abertura de agências

Os Sindicatos dos Vigilantes de Niteroi e regiões, Duque de Caxias e Petrópolis e região, solicitaram uma reunião com a superintendência da Caixa Econômica Federal No Rio Janeiro, e convidaram para participar desta reunião a Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV), e a CUT/RJ, o objetivo da reunião foi para tratar do assunto da Biometria que esta sendo implantada pela Caixa nas Agencias Bancarias, os Sindicatos unidos na mesma discussão representando cada um a sua base territorial, expuseram a sua preocupação e ficou acertado de que seria agendada outra reunião com as direções Sindicais trazendo subsídios para melhorar a forma de como foi implantada a Biometria.
 
Mais uma vez os Sindicatos acima Mencionados sai na frente na discussão de interesse da categoria uma vez que em vários Municípios já tinha sido Implantado o sistema mais os dirigentes sindicais das regiões não tinham se manifestado, assim, que a Caixa decidiu implantar o sistema nas regiões abrangidas pelos Sindicatos acima mencionados decidimos logo iniciar o dialogo para podermos tomar pé da Situação e resolver os problemas que porventura possam acontecer em virtude da implantação do sistema.
 

domingo, 3 de agosto de 2014

REUNIÃO DE DIRETORIA DO SINDICATO SVNIT DECIDE:

A diretoria do Sindicato Svnit reunida hoje dia 02/08/14 apreciou vários pontos importantes e um dos temas abordados foi a implantação de um convenio compartilhado de atendimento Medico para os associados e dependentes além de convênios com farmácia para descontos na compra de remédios e descontos também com dentista entre outros benefícios.
Além desse ponto foi apresentado pelos diretores varias denuncias recebidas pela diretoria do Svnit durante a semana contra empresas que prestam serviço na nossa base territorial. Todas as denuncias serão devidamente apuradas, entre as empresas denunciadas estão Transegur, DLP, Condor, Max, Facility, Graber, cada uma com denuncias diferentes.
Na próxima segunda feira estaremos comunicando as empresas as denuncias apresentadas e vamos dar um prazo de 1 semana para que seja resolvido, não sendo resolvido a situação denunciada vamos entrar na justiça e vamos também denunciar ao MTE.
A diretoria do Sindicato Svnit  comunica aos Vigilantes das empresas Facility, Centauro, Afeque, e VS Brasil já foram denunciadas a Justiça pelo Sindicato Svnit cobrando tudo o que tem de direito para A NOSSA CATEGORIA na nossa região.

A diretoria do Svnit.

terça-feira, 29 de julho de 2014

Presidente do SVNIT participa de plenária nacional da CUT com a presença do presidente Lula

O presidente do Sindicato dos Vigilantes de Niterói e região e Secretário Geral da Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV), Cláudio Vigilante, participa essa semana em São Paulo da 14ª Plenária Nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT).


O encontro debate o sindicalismo brasileiro e a organização de luta das categorias em todo país, além de temas de interesse coletivo como a reforma política e as eleições 2014. Mais de 600 dirigentes sindicais participam da plenária.

Na abertura oficial do evento, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou ministrando uma palestra aos sindicalistas e fazendo uma conjectura do país e do cenário político atual.

Imprensa Sindical RJ - WMC Assessoria -wmcnoticias@gmail.com

domingo, 27 de julho de 2014

Sindicatos vão à Superintendência da Caixa no Rio de Janeiro por conta do novo sistema de abertura de agências

Presidentes do Sindicato dos Vigilantes de Niterói (Cláudio Vigilante) e região, Petrópolis e região (Adriano Linhares) e Duque de Caxias (Carlos Gil) se reuniram com superintendente da GISEG da Caixa Econômica Federal no Rio de Janeiro, responsável pela segurança nas agências, Guilherme Nóbrega, para discutir o novo sistema de abertura dos bancos. O encontro, que aconteceu no prédio administrativo do banco no centro do Rio, teve a participação também do presidente da Confederação Nacional dos Vigilantes, José Boaventura, e do bancário e representante da CUT, Marcelo Rodrigues.

A implantação do novo sistema causou preocupação nos vigilantes o que motivou a reunião. Alguns pontos foram esclarecidos e novas medidas deverão ser tomadas. Detalhes do novo sistema não serão relatados aqui por questões de segurança. No entanto, uma nova linha de raciocínio será implementada pelos sindicatos que fiscalizarão as agências da Caixa em toda região.

O superintendente da CEF garantiu que o sistema é o que há de mais avançado no mercado e esclareceu ainda algumas dúvidas dos vigilantes. Toda abertura de agência é monitorada por um sistema de monitoramento que libera o acesso apenas após o cumprimento de uma série de passos e avaliação do local.

Ainda como proposta de discussão de um novo modelo de gestão de segurança, os vigilantes vão levar o debate a nível nacional para ser construída, juntamente, com os bancários uma forma mais eficaz que evite qualquer tipo de ação da bandidagem e coloque em risco a vida dos funcionários.

Os presidentes aproveitaram ainda para discutir o número de vigilantes por agências. Novas ações de fiscalização deverão acontecer para relatar à GISEG possíveis irregularidades.

O Rio de Janeiro saiu na frente de novo nas discussões levantadas pela categoria. Todas as novas medidas visam proteger os trabalhadores que atuam em todo Estado. A iniciativa dos Sindicatos de Niterói, Petrópolis e Duque de Caxias reafirma o compromisso com a categoria.

Imprensa Sindical RJ - WMC Assessoria